Chegada a Taipú de Fora

Grande, Brésil le 09/05/2012

 

Nosso relógio biológico despertou as 7h, tomamos o pequeno almoço calmamente na varanda da pousada de fortuna e arrumamos nossas malas para voltar a estrada, direção: Taipú de Fora. 

No nosso caso, foi voltar ao mar, visto que fizemos a travessia Camamu-Barra Grande de lancha rápida. O condutor da lancha nos abordou assim que no viu. Também, com toda nossa tralha (uns 50kg em malas e sacos + um gato ) e nossa pinta de estrangeiro, é difícil passar despercebido. Após breve negociação, acordamos de pagar, pela travessia de 40 min, o preço atribuido aos nativos, ou seja 15R$. A alternativa seria pegar o barco de pesca que funciona como ônibus aquático, transportando sempre muitas pessoas  e mercadorias entre as duas aldeias, custa 3R$ mais dura 2h, no sufoco. Dado as circunstancias demos preferência a lancha. A travessia rapidamente se transformou numa balada agradável, 40 min de barco debaixo de sol com uma vista grandiosa sobre as diversas ilhas e a mata atlântica. Lá conseguimos encontrar um caminho no meio de tantas ilhas e avistamos finalmente Barra Grande, a aldeia mais a norte da península de Marau conhecido pelas suas lindas praias. Desembarcamos na praia mesmo, com toda nossa tralha e só nos apetecíamos deitar na praia e dar um mergulho. Mas o descanso do guerreiros não ia ser por agora e nos dirigimos direitamente para o ponto de táxis.
 
O Taxi levou-nos até Taipú de Fora, que fica a uns 8km sudeste de barra Grande, onde reservamos uma semana na pousada Bambu Dourado. Pensava que esse trajeto ia ser rápido e agradável, mas era sem contar com essa "estrada" de terra, que virou lama devido as chuvas da noite anterior, que mais parecia uma pista de motocross. É simples, tem buracos todos os 3 metros o que obriga o condutor a andar a 20km. Dentro do carro, foi a gargalhada a cada cabeçada no teto, malabarismos com o gato pendurado... pessoalmente tinha a impressão de estar numa panela fazendo pipocas, não foi o Canguru louco !!  40min depois chegamos finalmente a pousada onde fomos recebidos pelos responsáveis do estabelecimento, Gracinha e Clóvis sem esquecer o labrador Bugi. Nosso quarto estava a ser limpo então deixamos nossas tralhas num canto e fomos a procura da praia. Calha bem 30m depois chegamos a praia e aí paramos , saboreamos nosso momento... nossa recompensa... e perante uma paisagem destas é impossível não deixar escapar um sorriso...  mesmo para um guerreiro. O pavimento e as estradas foram substituídos por quilômetros de praia de areia fina, as casas e os prédios por uma densa vegetação e coqueiros gigantescos, estamos bem longe da civilização. Perfeito!! 
 
Ao voltar da praia, a gracinha nos tinha preparado um prato de comida tradicional, uma moqueca de carne do sol (carne de boi, óleo de dendê , leite de coco...). Muito simpático da parte dela fazer isso pra nós, acho que ela gostou de nós. 
Estamos finalmente instalados, o sol desaparece aos poucos deixando a lua aparecer, majestuosa.  Por volta das 18h decidimos dar uma volta ao quarteirão para ver se há movimento na praça e na esperança de encontrar um lugar onde comer. Na realidade, a nossa volta foi mais uma voltinha. Explico, Taipú de Fora é uma aldeia composta principalmente por pousadas e restaurantes e que vive exclusivamente do turismo e dos surfistas. No verão, a Gracinha nos disse que esta tudo lotado, a população quadruplica, mas como estamos num inverno e que o sol deita-se as 17h30, não há praticamente ninguém nas ruas a partir das 18h. Temos a impressão de ser os únicos turistas num raio de 5 km. Voltamos para a pousada com nossas barrigas roncando e nos perguntamos o que bem poderíamos fazer durante uma semana num lugar tão isolado quanto este. Falamos com a Gracinha que confirmou nossa teoria e ela nos propus de comer uma feijoada com arroz que ela tinha cozinhado (muito boa) (a feijoada).E para compensar ela nos disse que poderíamos utilizar a cozinha da pousada livremente, o que nos permitirá fazer muitas economias !! AIAIAIAI

Não perca o próximo episodio, porque nós também não...  -.-
 

Commentaires



Autres récits de voyage

Autres Recits en Brésil